Ir para o conteúdo

Fiocruz e Iphan discutem candidatura do Castelo a patrimônio mundial da Unesco

28/11/2018

Ícone do desenvolvimento da ciência e da saúde no Brasil e na América Latina, o centenário Castelo da Fiocruz será postulante a candidato a Patrimônio Cultural Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). No último dia 19, a presidente da Fundação Oswaldo Cruz, Nisia Trindade Lima, o diretor da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), Paulo Elian, e o vice-diretor de Patrimônio Cultural e Divulgação Científica da COC, Marcos Pinheiro, reuniram-se com representantes do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em Brasília, para discutir o encaminhamento da proposta de candidatura, que será formalizada pela Fiocruz até dezembro.

Durante o encontro com o diretor do Departamento de Cooperação e Fomento do Iphan, Marcelo Brito, e o coordenador de relações internacionais do instituto, Raul Fontoura, foram debatidos pontos relacionados à linha de argumentação que deverá constar do dossiê da candidatura do Castelo, em fase de elaboração pela equipe técnica da Fiocruz. O documento é uma peça-chave no processo e deve demonstrar o potencial Valor Universal Excepcional de um bem, além de descrever como esse valor será sustentado, protegido e gerido. Para concorrer à Lista do Patrimônio Mundial, a candidatura precisa ser incluída na lista do Estado-parte, organizada no Brasil pelo Iphan, que poderá indicá-lo à Unesco.

O órgão das Nações Unidas define que o Patrimônio Cultural Mundial é “composto por monumentos, grupos de edifícios ou sítios que tenham um excepcional e universal valor histórico, estético, arqueológico, científico, etnológico ou antropológico”. Construído entre 1905 e 1918, o Castelo da Fiocruz, também conhecido como Pavilhão Mourisco, foi idealizado por Oswaldo Cruz para ser a sede do então Instituto Soroterápico Federal, criado em 25 de maio de 1900. Desde então, o Castelo se consolidou como símbolo maior da ciência e da saúde no país e no continente.

De acordo com a presidente da Fiocruz, Nisia Trindade Lima, o encontro em Brasília com representantes do Iphan foi “muito relevante para discutirmos a preparação e a melhor fundamentação da proposta de candidatura do Castelo da Fiocruz a Patrimônio Cultural Mundial da Unesco”.

“Além de ser considerado o símbolo da ciência brasileira, pensada para resolver os grandes desafios da saúde pública do país, o Pavilhão Mourisco ou Castelo da Fiocruz é um símbolo para todo o mundo, uma vez que a Fiocruz colabora com instituições de todos os continentes, desenvolvendo cooperação internacional em ciência e saúde voltada para o desenvolvimento dos povos”, disse Nisia.

O dossiê de candidatura do Pavilhão Mourisco a Patrimônio Cultural Mundial começou a ser elaborado em 2018, por ocasião do centenário do monumento. O documento deve estar de acordo com as orientações da Unesco, em especial a Convenção do Patrimônio Mundial (antes Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial Cultural e Natural, 1972) e as Orientações Técnicas para a implementação da Convenção do Patrimônio Mundial (WHC. 11/01, agosto de 2011). Diretor da Casa de Oswaldo Cruz, unidade responsável pela preservação do patrimônio arquitetônico da Fundação, Paulo Elian também destacou a importância do alinhamento da Fiocruz com o Iphan.

“A reunião foi muito importante para alinharmos com o Iphan um entendimento comum sobre os critérios de enquadramento da candidatura do Castelo e, sobretudo, analisarmos os pontos positivos a serem reforçados no dossiê. Nos parece muito claro e relevante o diferencial que a candidatura do Castelo pode representar como expressão histórica e cultural de um ambiente social de desenvolvimento e construção da ciência e da tecnologia em saúde com traços próprios do país, mas em permanente diálogo com o mundo”, afirmou Elian.

O Pavilhão Mourisco foi tombado pelo Iphan em 1981. Construído para abrigar os laboratórios do então Instituto Soroterápico Federal, o edifício é ocupado hoje pela Presidência da Fiocruz e seus setores administrativos, pelo Departamento de Patrimônio Histórico (DPH) da COC e pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC), unidade técnico-científica da Fiocruz. Vice-diretor de Patrimônio Cultural e Divulgação Científica da COC e coordenador do Grupo de Trabalho que prepara o dossiê, Marcos José Pinheiro acredita que a Fundação está em um caminho promissor para a efetivação de sua candidatura.

“O Castelo possui valores simbólicos e históricos tais em relação à ciência e à saúde que o permitem concorrer num espectro de bens ainda pouco representados no seleto grupo de patrimônios da humanidade da Unesco, o que é favorável à candidatura. Assim como o próprio período de construção dessa edificação, que se diferencia do já bem representado período colonial, no caso brasileiro. Associado a isso, destaca-se o trabalho que a Fiocruz vem fazendo ao longo do tempo em prol da preservação de seus acervos, representado como diretriz institucional por sua Política de Preservação dos Acervos Científicos Culturais”, explicou Marcos José.


Compartilhe

Facebook Twitter Google Plus E-mail Imprimir

Compartilhe

Facebook Twitter Google Plus E-mail Imprimir