Biblioteca Virtual reúne vida e obra do cientista Oswaldo Cruz

21/12/2017

Perfil biográfico. Trajetória científica. Objetos museológicos. Correspondências. Bibliografia. O maior acervo já reunido sobre a vida e a obra de Oswaldo Cruz (1872-1917) está disponível agora a apenas alguns cliques de distância. Resultado de um trabalho multiprofissional da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), a Biblioteca Virtual Oswaldo Cruz (BVOC) oferece a pesquisadores, estudantes e curiosos em geral uma plataforma digital inovadora, que marca o centenário da morte do cientista e celebra o Ano Oswaldo Cruz.

Até o momento, a biblioteca virtual multimídia abriga 239 imagens, 159 correspondências, 11 vídeos e seis músicas, além de linha do tempo e outros textos de referência e material de apoio. Todo o conteúdo é oferecido em português e inglês, com o objetivo de ampliar o acesso do público internacional à obra do cientista. Responsáveis pela coordenação e pesquisa histórica do projeto, as historiadoras da Casa de Oswaldo Cruz Nara Azevedo e Ana Luce Girão levaram cerca de cinco anos trabalhando na BVOC, ao lado de profissionais de Tecnologia da Informação (TI), Design, Comunicação, Biblioteconomia e Arquivo.

Estudiosas da vida e da obra do patrono da Fundação Oswaldo Cruz, Nara e Ana Luce afirmam que a indexação do conteúdo disponível na biblioteca virtual foi um dos maiores desafios do projeto. O cuidado com a classificação dos documentos foi fundamental para o desenvolvimento de um sistema de busca integrado, que também é apontado como um dos diferenciais da BVOC. O objetivo era construir uma narrativa histórica atraente e acessível tanto para pesquisadores das áreas das ciências e da saúde quanto para o público em geral.

“A Biblioteca Virtual Oswaldo Cruz é um trabalho de divulgação científica. Nós queremos oferecer o nosso conteúdo de maneira que um público leigo, mais amplo, também compreenda. Além de falar do patrono da Fiocruz, a nossa meta principal é divulgar o acervo da Casa de Oswaldo Cruz, na perspectiva da história e memória”, afirma Nara Azevedo.

Correspondência inédita

A nova plataforma multimídia é sucessora da primeira biblioteca virtual sobre Oswaldo Cruz, lançada no início dos anos 2000. Coordenadora do primeiro e do atual projeto, Ana Luce Girão recorda o esforço da equipe para atualizar e repensar a organização do conteúdo, a partir de novas perspectivas tecnológicas e metodológicas. “O arquivo de Oswaldo Cruz foi organizado em 2000. A gente já teve para esse projeto acesso a uma documentação descrita, organizada e seriada. Isso permitiu uma visão mais ampla do nosso personagem”, explicou a pesquisadora.

Além da documentação sobre a vida pessoal e trajetória científica de um dos maiores cientistas brasileiros do século XX, que estão sob a guarda da Casa de Oswaldo Cruz, o novo site também apresenta material inédito, como a correspondência de Oswaldo Cruz, seja para os seus familiares, seja para colegas cientistas contemporâneos no Brasil e no exterior. O acervo com as cartas do cientista foi reforçado nos últimos anos, a partir da doação de material de seus herdeiros.

"Uma das características deste projeto é a riqueza e a diversidade de acervo: museológico, bibliográfico, arquivístico e o patrimônio edificado. Do ponto de vista da pesquisa, nós fizemos um trabalho maior agora com a correspondência e os documentos pessoais. Mas ainda temos cartas inéditas que não entraram na biblioteca”, explica Ana Luce.

A narrativa histórica proposta pela Biblioteca Virtual Oswaldo Cruz permite não somente uma visão aprofundada sobre a trajetória do cientista, mas também sobre o Brasil de sua época e as descobertas que revolucionaram a ciência no início do século XX. De acordo com Nara Azevedo, a intenção da BVOV é ir além do “discurso mitológico” sobre o patrono da Fiocruz, estabelecendo-se como uma fonte confiável e de referência sobre Oswaldo Cruz na rede mundial de computadores.

“Sempre se vê o Oswaldo Cruz sob um certo ângulo, consagrado pelo senso comum. Nós desejamos fugir dessa narrativa historiográfica que consagrou um mito em torno de sua figura. A originalidade da BVOC é oferecer informação baseada em pesquisa documental”, assinala a historiadora.

Acessibilidade e busca integrada

O desenvolvimento da nova biblioteca virtual exigiu o trabalho coordenado de profissionais das mais diferentes áreas da Casa de Oswaldo Cruz, como Tecnologia da Informação (TI), Design e Comunicação. Para alcançar os objetivos propostos pela coordenação de pesquisa, especialistas de cada setor investiram na customização de novas tecnologias para incrementar a plataforma digital. Um dos orgulhos da equipe é justamente a acessibilidade, que permite o acesso de pessoas com deficiência visual ao conteúdo quase completo da BVOC.

“É um compromisso institucional trabalhar a acessibilidade nos produtos web da Casa de Oswaldo Cruz. Mas se trata de um projeto em construção. O que nós fizemos nesse primeiro momento foi construir a página, com seus elementos, de forma que pessoas cegas, que usam leitores de tela, não tivessem dificuldade alguma para acessar os conteúdos”, comenta Carolina Sacramento, da área de TI.

A exposição do conteúdo na home e nas páginas internas da BVOC e o desenvolvimento de uma busca integrada, capaz de identificar diferentes mídias, como textos, imagens e áudios, também são apontados como trunfos do projeto. “O que foi mais inovador e difícil foi a busca integrada, que é um diferencial do projeto. A gente tinha fontes de informação muito heterogêneas e precisava se apropriar de uma nova ferramenta tecnológica”, diz Carolina.

A estrutura de informação do site também requereu um trabalho colaborativo e soluções inovadoras. "O lay-out e a organização da informação também foram de grande complexidade. Todo mundo teve que pensar um pouco diferente. Foi tudo muito integrado e não daria certo sem essa integração”, diz Claudia Souza e Silva, da área de Design. Outra preocupação da equipe é manter a atualização da biblioteca virtual, acrescentando novos conteúdos e refinando questões ligadas à tecnologia, como acessibilidade e busca. “A BVOC foi preparada para ser alimentada ao longo do tempo. Já era uma diretriz. Assim como será possível aproveitar as soluções que desenvolvemos em outros projetos da Casa de Oswaldo Cruz”, complementa Claudia.


Compartilhe

Facebook Twitter Google Plus E-mail Imprimir