Ir para o conteúdo

Tese defendida na COC vence Prêmio Capes em História

01/11/2017


Postal  do Teachers College - Columbia University

O próximo dia 7 de dezembro será especial para a jovem historiadora Ana Cristina Santos Matos Rocha. Será nessa data, em Brasília, que ela receberá o Prêmio Capes de Tese 2017 na área de História. A pesquisadora foi contemplada pela tese “Experiências Norte-Americanas e projetos de educação no Distrito Federal e em São Paulo (1927-1935): Anísio Teixeira, Noemi Silveira, Isaías Alves e Lourenço Filho”, defendida ano passado no Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz (PPGHCS-COC/Fiocruz) sob a orientação do pesquisador Robert Wegner, professor e ex-coordenador do PPGHCS.

Nessa entrevista, Ana Cristina defende as políticas de fomento à pesquisa: Houve “golpes duros nos últimos anos” nesse campo e também conta sobre como os professores do Programa a ajudaram a identificar aspectos fundamentais sobre a “importância da Fundação Rockefeller no contexto do entreguerras, a relação entre as fundações e a expansão universitária norte-americana, a ideia de diplomacia cultural e a perspectiva transnacional”, destacou.

Ana Cristina Rocha pesquisa a área de história da educação, com ênfase no intercâmbio de ideias entre Brasil e Estados Unidos e desenvolveu seu trabalho entre 2012 e 2016, com período sanduíche na New York University, onde recebeu orientação do professor Thomas Bender.

Com a pesquisa, foi possível entender que, embora o ponto de interseção entre eles seja suas respectivas passagens pelo Teachers College de Columbia, “esses educadores nem sempre concordaram em relação às medidas que deveriam ser tomadas para melhorar nosso sistema educacional. Eles não foram um grupo coeso, nesse sentido”, frisou a historiadora. Ela acrescentou que Lourenço Filho e Anísio Teixeira “lutaram pela qualidade da formação do professor, pela valorização do ensino e pela sua democratização”.

Segundo Ana Cristina, Isaías Alves e Noemy Silveira já trabalhavam com testes psicológicos no Brasil na década de 1920. Tais ideias circulavam em periódicos e coleções da época. Entretanto, não havia consenso entre os educadores quanto aos testes.

De acordo com a pesquisa, a Fundação Rockefeller ajudou a internacionalizar o Teachers College da Universidade de Columbia. Isso foi feito com a doação de 1 milhão de dólares para a criação do Instituto Internacional em 1923, garantindo fundos para os seus primeiros dez anos de funcionamento.

Ana Cristina Rocha defende que o sistema educacional precisa não só de regularidade nos investimentos, mas de um projeto de longo prazo. “Esses educadores já discutiam isso naquela época”, lembrou. A seguir, a íntegra da entrevista com a vencedora do Prêmio Capes de Tese em História 2017.

Pode nos dizer sua impressão pela conquista de prêmio tão importante?

Eu estou muito feliz com essa premiação e acho que ela me faz pensar ainda mais na importância das políticas de fomento à pesquisa, que, infelizmente, recebeu golpes duros nos últimos anos. Toda tese de doutorado tem esse capital acumulado, de um processo que às vezes começa na iniciação científica, e de uma série de aprendizados que a gente vai incorporando no diálogo com outros pesquisadores e professores. E para mim o momento é de agradecer as pessoas que me ajudam nesse processo.O que a Casa de Oswaldo Cruz representou para você nessa jornada até a defesa de sua tese, agora contemplada com o Prêmio Capes na área de História?

Eu tive a sorte de frequentar espaços de formação muito preocupados com o trabalho de pesquisa de seus alunos, e neste sentido a COC não fugiu à regra. Quando entrei no doutorado no PPGHCS [Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz], tinha uma ideia difusa sobre a importância de se entender a relação entre a experiência de viagem dos educadores que estudei e o trabalho que desenvolveram posteriormente em suas carreiras. Foi com a ajuda dos professores do programa que identifiquei algumas chaves de leitura que seriam fundamentais para entender essa experiência: a importância da Fundação Rockefeller no contexto do entreguerras; a relação entre as fundações e a expansão universitária norte-americana; a ideia de diplomacia cultural; e a perspectiva transnacional; para citar alguns exemplos. Ali também entendi melhor até onde eu podia relacionar o trabalho com questões de eugenia (que era outra inquietação que eu tinha) e como o discurso científico era importante para esses educadores. O Programa também apoiou a minha candidatura ao doutorado sanduíche nos Estados Unidos, onde realizei parte da pesquisa. É claro que a orientação que tive de Robert Wegner durante esse período foi fundamental. Cabe dizer que o fato de ter um orientador presente, disposto a discutir as questões de pesquisa e me apontar caminhos possíveis, foi também o que determinou o resultado deste trabalho.

Qual a importância do quarteto Anísio Teixeira, Noemy Silveira, Isaías Alves e Lourenço Filho para a formação educacional brasileira?

As contribuições destes intelectuais são significativas, mas antes de tudo, acho que cabe mencionar que, apesar de trabalharem no mesmo campo e terem a experiência de viagem ao Teachers College de Columbia como ponto de interseção entre suas trajetórias, esses educadores nem sempre concordaram em relação às medidas que deveriam ser tomadas para melhorar nosso sistema educacional. Eles não foram um grupo coeso, nesse sentido. Apesar disso, podemos afirmar que tanto Lourenço Filho quanto Anísio Teixeira lutaram pela qualidade da formação do professor, pela valorização do ensino e pela sua democratização. E essa foi uma postura que eles mantiveram durante suas trajetórias. Já Isaías Alves e Noemy Silveira foram pioneiros no debate e aplicação das teorias psicológicas no campo da educação, mas, eu diria que, enquanto Noemy (que depois adotou o sobrenome de seu marido, Rudolfer) é reconhecida pela sua contribuição no campo da psicologia, o Isaías Alves é conhecido pelo esforço que fez em fundar a Faculdade de Filosofia da Bahia. 

Testes psicológicos já eram aplicados, e estudados também no Brasil, e teorias no campo da educação circulavam pelo mundo. Como essas ideias influenciaram esses pesquisadores?

Tanto Isaías Alves quanto Noemy Silveira já trabalhavam com testes psicológicos no Brasil na década de 1920, antes de irem para a Universidade de Columbia. Essas ideias circulavam através dos periódicos e coleções voltadas para os professores, ou ainda pelas trocas que esses intelectuais iam travando entre si. Para muitos, o uso de testes psicológicos era a materialização do ingresso da ciência no campo escolar, mas cabe ressaltar que a utilidade dessa ferramenta não era um consenso entre os educadores. Noemy e Isaías defendiam que estes testes eram uma saída para resolver os altos índices de repetência escolar, que sobrecarregavam um sistema de ensino ainda incipiente. Era a ideia de uma educação adequada às “capacidades individuais”, que, nos Estados Unidos, foi duramente criticada por Dewey [John – filósofo e pedagogo norte-americano], mas, defendida por outros educadores como um caminho para tornar a escola mais eficiente. Quando viajaram, eles se aprofundaram nessa teoria não só a partir das aulas que assistiram, mas através das demonstrações práticas de aplicação e nas excursões às escolas modelos, promovidas pelos Teachers College. Quando voltaram, dirigiram Serviços de Psicologia que aplicaram alguns modelos desses testes nas escolas cariocas e paulistas. O mais interessante é notar que, mesmo concordando nas questões mais gerais, Isaías Alves e Noemy Silveira adotam metodologias e explicações diferentes para justificar as decisões que tomam diante das dificuldades que enfrentam na aplicação dessas teorias.

Qual a importância da Fundação Rockefeller para a circulação e difusão da ciência também no campo da educação nesse período?

A Fundação Rockefeller financiou diversas pesquisas no campo da educação norte-americana através do General Education Board. Parte do seu projeto dava atenção especial ao sistema educacional do Sul do país, mas a fundação também financiou uma série de atividades experimentais realizadas por pesquisadores como Edward Thorndike, que desenvolveu um extenso trabalho relacionando psicologia e aprendizagem, e com o qual os educadores brasileiros dialogaram. Além disso, a Fundação desenvolveu um papel fundamental ao financiar parte do projeto de internacionalização do Teachers College da Universidade de Columbia, com a doação de 1 milhão de dólares para a criação do Instituto Internacional em 1923, garantindo fundos para os seus primeiros dez anos de funcionamento. Foi este instituto que recebeu os educadores brasileiros que foram estudar no Teachers College durante as décadas de 1920 e 1930. Anualmente, os diretores do Instituto Internacional se reportavam à Fundação, não só descrevendo suas atividades, mas ressaltando a contribuição do departamento para o esforço de “entendimento entre os povos” e para a difusão dos ideais norte-americanos no campo da educação. Um sinal de seu papel essencial para o funcionamento deste Instituto é que suas atividades foram encerradas justamente quando a Fundação decidiu cortar definitivamente as verbas para o projeto, em 1938.

Os quatro personagens de sua tese tiveram experiência intelectual e acadêmica, mas também práticas. Exerceram funções como gestores em diversas instituições de educação. De alguma maneira, também trouxeram dos Estados Unidos ensinamentos nessa área?

Sim. O caso de Anísio Teixeira é o mais conhecido: parte da reforma que estabeleceu enquanto estava à frente da Diretoria de Instrução do Distrito Federal tem essa marca, e a reforma no Instituto de Educação é outro bom exemplo. Isaías Alves e Noemi Silveira chefiaram seções ligadas à psicologia educacional: ele no Serviço de Testes e Escalas, ligado à Diretoria de Instrução do DF, e ela no Serviço de Psicologia Aplicada, da Diretoria Geral de Ensino de São Paulo. Ali, desenvolveram um trabalho com testes de inteligência que dialogava com as teorias norte-americanas. O elogio à eficiência do sistema educacional norte-americano é um dos pontos comuns entre esses autores. Lourenço Filho já tinha afinidades intelectuais com as teorias norte-americanas, mas o país que ele visitou em 1935 já não era o mesmo dos tempos de Anísio e ainda sofria as consequências da crise de 1929. Ainda assim, ele trouxe mais de 700 livros de sua viagem para serem incorporados ao acervo da biblioteca do Instituto de Educação do Rio de Janeiro, instituição que ele dirigia na época.

Sua pesquisa se concentrou nas décadas de 1920 e 30, mas ainda hoje discutimos temas sobre a educação no Brasil, no tocante à estruturação dessa área tão importante. A que atribuiria esse fato? A educação no Brasil evoluiu com os ensinamentos das experiências desses educadores ou ainda não chegamos a um nível satisfatório para nossa realidade?

Não. Uma coisa é reconhecer que a gente ganhou muito de lá pra cá, em termos de estrutura, mas isso não significa dizer que está tudo bem. E se eu tivesse que escolher um dos muitos fatores dessa equação para tratar aqui, eu apontaria a descontinuidade. Todo sistema educacional precisa não só de regularidade nos investimentos, mas de um projeto de longo prazo. E o que a gente parece esquecer é que isso significa que os resultados mais expressivos vêm no longo prazo também. Esses educadores já discutiam isso naquela época e eles deixavam claro que o papel do estado era fundamental nesse sentido, porque é ele que opera mais claramente nessa duração. Também por isso, a ideia de que o sistema devia ser público e gratuito, sem perder a qualidade, era tão importante para esses autores. É claro que, enquanto defendiam essa ideia, construíam um espaço de atuação profissional. Talvez esses dois fatores contribuam para o nosso problema educacional hoje: o velho discurso da educação como vocação, que desvaloriza os profissionais da educação, e o desrespeito aos projetos e investimentos de longo prazo nessa área.


Compartilhe

Facebook Twitter Google Plus E-mail Imprimir

Compartilhe

Facebook Twitter Google Plus E-mail Imprimir