Ir para o conteúdo

Especial Covid-19: A Cultura da Sobrevivência, as Epidemias e a História na América Latina

22/05/2020

Marcos Cueto*

Há um bom tempo o drama, as repercussões e as representações socioculturais das epidemias despertaram o interesse dos historiadores da América Latina. Em alguns casos serviram para examinar períodos históricos de países ou da região, ou para realizar comparações entre nações (Molina del Vilar, 2013; Cueto, 2007; Smallman, 2007). O objetivo deste texto é fazer alguns comentários sobre estes estudos, apresentar reflexões sobre as respostas as epidemias do século 20 e juntar uma breve bibliografia com esperança que sirva para futuras investigações.

Epidemias do período colonial têm sido estudadas não somente por suas consequências demográficas, mas também por que revelavam a influência da Igreja -que as explicavam como castigos divinos

Seguindo uma narração cronológica é importante destacar os estudos clássicos de Crosby e Cook sobre com a chegada de terríveis enfermidades desconhecidas para a população indígena das Américas que facilitaram a conquista europeia do século 16 (Crosby, 1972; Cook, 1981, 1988). Estes estudos destacaram uma série de investigações que mediram a magnitude do “colapso geográfico” nestas populações em diferentes regiões enquanto outras questionaram que o descenso da população americana produzida por epidemias teve uma magnitude maior que a mortalidade produzida pela violência, exploração e escravidão (Alchon, 2003).

Epidemias do período colonial têm sido estudadas não somente por suas consequências demográficas, mas também por que revelavam a influência da Igreja -que as explicavam como castigos divinos- e justificavam seu quase monopólio no cuidado aos enfermos nos hospitais e nos enterros (Molina del Vilar, 2013). Esta influência se enfraqueceu durante o século 18 com o despotismo ilustrado das coroas espanholas e portuguesa que procuraram secularizar as soluções às epidemias, especializar a formação médica e fortalecer os primeiros organismos de saúde (Cooper, 1965). Uma das intervenções mais usadas foi a vacinação para prevenir a varíola utilizada pouco depois que foi projetada na Inglaterra.

Os investigadores que analisaram a vacinação em diferentes anos do século 19 mostraram a insuficiência da aplicação desta medida, assim como as resistências populares às mesmas (Férnandez, 2010, Silva, 1992, Ramírez, 2000). Durante o século 19, os historiadores examinaram como as epidemias produziram interseções da saúde com a urbanização (seguindo quase sempre um padrão de rápido crescimento das cidades com incremento limitado de infraestrutura sanitária) e aprofundamento das desigualdades sociais (Thompson, 1998; Chaloub, 1996; Márquez Morfin, 1994). O cólera do século 19 –  uma das grandes pandemias que atravessaram o mundo – motivou análises sobre seu impacto no comércio marítimo, as respostas oficiais, a multiplicação de curandeiros populares e a reorganização da assistência sanitária (Aguerregaray, 2019; Pascua, 2017; Rebelo-Pinto, 2016; Santos, 2016; Pimenta 2011; Stevens, 2019; Peniche Moreno, 2016).

O estudo dessa doença também foi um bom mote para entender a dinâmica e a mortalidade da escravidão afro americana (Kodama, 2012). As discussões médicas sobre o cólera em meados do século antepassado atraíram a atenção dos pesquisadores por sua intensidade, mas também pela controvérsia sobre o fator do contágio ser externo ou local  (concepções que favoreciam quarentenas ou saneamento ambiental, respectivamente). Estas discussões se mesclaram com a reconfiguração hierárquica dos espaços urbanos, o surgimento de utopias de cidades salubres e a produção de metáforas morais sobre os doentes.

As respostas às epidemias em meados do século 20 serviram para que os investigadores analisassem a legitimidade do poder, seus argumentos populistas, e a recriação da segregação e do estigma em novos contextos

As epidemias de varíola, febre amarela e peste bubônica na virada do século 20, assim como a reação à pandemia de gripe de 1918, foram objetos de numerosos estudos (Carrillo, 2005; Nascimento & Duarte, 2013; Márquez Valderrama, 2001; Souza, 2013; Bertolli Filho, 2003; Dall’ava, 2013; Bertucci-Martins, 2004; Goulart, 2005). Este momento foi marcado pela emergência da bacteriologia e a modernização de vacinas, soros e métodos de desinfecção, quando foram criados os primeiros organismos sanitários nacionais que assumiram funções municipais. Foram patentes o pânico e a resistência da população (como no famoso caso da revolta carioca de 1904 e na gripe de 1918, contra a qual não havia tratamento eficiente) (Hochman, 2012).

Um interessante estudo que combina perspectivas da história ambiental, história demográfica e história da saúde é o de Zulawski, que argumenta que a peste magnificou a urbanização caótica sem sanidade em San Juan, Porto Rico, e os efeitos do colonialismo que discriminava a população de origem africana (Zulawski, 2018). Entre os atrativos do estudo da febre amarela estiveram a complexidade política e cientifica de sua origem e controle, que incluíram campanhas anti-Anopheles em várias cidades do mundo, assim como norte-americanização da saúde pública latino-americana, que abandonou o modelo francês.

Gaitors y Yepez argumentaram que, desde começos do século 19, as respostas às epidemias de febre amarela entrelaçaram a política e a economia, quando se ratificaram as esperanças governamentais na exportação de matérias primas como o motor do crescimento (Gaitors, 2018; Yépez Colmenares, 1995). Para Delaporte, os estudos da febre amarela foram o início das tradições fundacionais da medicina tropical. Para Benchimol, as discussões sobre a febre amarela marcaram a transição contraditória das ideias miasmáticas ao reino da bacteriologia entre as elites médicas (Delaporte, 1991; Benchimol 1999). Segundo Espinosa, o controle da febre amarela no Caribe explica fenômenos políticos fundamentais como a independência de Cuba da Espanha -um processo em que participaram médicos e soldados dos Estados Unidos- e o surgimento do imperialismo norte-americano (Espinosa, 2009).

As respostas às epidemias em meados do século 20 serviram para que os investigadores analisassem a legitimidade do poder, seus argumentos populistas, e a recriação da segregação e do estigma em novos contextos. O caso da luta contra a malária durante a segunda metade do século 20 foi estudado como um paradigma das características de projetos desenvolvimentistas antes e depois da Guerra Fria. Esses projetos estavam convencidos de seu papel como instrumentos para eliminar o comunismo, que, por sua vez, nesta visão, se apoiaria no desespero causado pela miséria e a enfermidade generalizada (Lopes, 2019; Cueto 2007; Silva 2011). Também neste período as investigações sobre a eliminação da varíola serviram para mostrar a articulação dos organismos sanitarios latino-americanos com agências internacionais que erradicaram essa doença em 1980 (Hochman, 2009; Agostoni 2016).

Nos anos finais do século 20, o estudo da Aids serviu aos historiadores para dar maior protagonismo a novos atores, como ativistas, agentes comunitários, enfermeiras, pacientes, curandeiros, e mães de família, que participaram ativamente nas discussões e nas práticas ligadas à saúde (Marques, 2003; Nascimento, 2005; Vianna & Nascimiento, 2013).  Estes estudos mostraram a articulação entre a homofobia e o silêncio governamental inicial, a artificialidade da separação entre a reabilitação, prevenção e tratamento, e a força do que é a “Ciência Cidadã” (Cooper, 2016). No caso da Aids, tratou-se de esforço informado de pessoas não associadas às comunidades médicas profissionais por programas inclusivos de saúde. A Aids permitiu este tipo de enfoque porque é uma doença que transcende o âmbito biomédico e envolve o trabalho de líderes comunitários, ativistas e periodistas.

Alguns dos estudos da história das epidemias no século 20 analisaram o legado das respostas oficiais insuficientes (Cueto & Palmer 2016). Neste sentido, gostaria de englobar estas respostas no conceito de “Cultura de Sobrevivência” que teve duas características. A primeira consiste no pressuposto de que o controle das enfermidades epidêmicas era sobretudo um assunto tecnológico; cujo cumprimento dependia de poucos especialistas e uma boa administração.

Desta maneira, as respostas às epidemias foram paliativas e assistencialistas, com certa verticalidade e autoritarismo, e nas quais apenas os especialistas e as elites saberiam o que convinha à sociedade

Desta maneira, fumigações, medicamentos, vacinas ou hospitais eram apresentados como “balas mágicas”. Além disso, assumia-se que a “racionalidade” iria se impor a outros tipos de práticas sanitárias, como as medicinas domésticas, indígenas, asiáticas ou afro-americanas que eram condenadas como “primitivas” pelo Estado. A ênfase na tecnologia relegava a construção de sistemas sanitários sólidos e desdenhava da participação comunitária no desenho dos programas de saúde. As trombetas triunfalistas da tecnologia assumiam que o controle das epidemias podia ser alcançado sem a melhora das condições de vida da maioria da população. Segundo um padrão oficial, não era responsabilidade dos trabalhadores da saúde lutar por uma reforma social que minimizasse a vulnerabilidade estrutural na sociedade; tratava-se tão somente de atender emergências com os recursos disponíveis.

Desta maneira, as respostas às epidemias foram paliativas e assistencialistas, com certa verticalidade e autoritarismo, e nas quais apenas os especialistas e as elites saberiam o que convinha à sociedade. Esta forma de assistência de caráter paliativo normalizou a insuficiência do acesso pleno a serviços médicos e infraestrutura sanitária, pelas pessoas que não eram consideradas “cidadãos plenos”. Em alguns casos, exagerou-se sobre a eficácia de condutas higiênicas para argumentar que os pobres - que não seguiam seus preceitos - eram os culpados por sua própria sorte nas calamidades sanitárias (sem nenhum questionamento sobre as dificuldades no cumprimento dos “ditados da higiene” nos bairros miseráveis).

Produziu-se, assim, uma percepção limitada da saúde pública; uma saída transitória das emergências. Estas atividades fugazes criaram expectativas de curto prazo, que supunham que os cuidados de saúde oficiais eram apenas dádivas, como fumigações, vacinações e hospitais, para que os menos favorecidos pudessem sobreviver. Desta maneira, fomentou-se uma resignação às epidemias seguintes. Os cuidados de saúde hegemônicos renunciaram a constituir o que deles esperavam as melhores versões do capitalismo: isto é, com a educação, deveriam garantir igualdade de oportunidades, contribuindo ao progresso individual com base no talento e esforço, independentemente das marcas de nascimento (como lugar, classe social, gênero ou etnia).

Hoje, as respostas fragmentadas, em vários países, e a obsessão por “balas mágicas”, de alguns governantes desinformados e oportunistas, interessados em encontrar um paliativo e, sobretudo, sobreviver politicamente, é parte do legado vivo da Cultura da Sobrevivência

A segunda característica da Cultura de Sobrevivência está relacionada a dois problemas fundamentais dos sistemas de saúde latino-americanos: a descontinuidade e a fragmentação institucional. Muitas campanhas contras as epidemias acabaram diluindo-se passada a emergência. Terminaram provocando confusão e um retrocesso desordenado nos programas sanitários. Não se considerou adequadamente a avaliação das dificuldades ou as conquistas alcançadas. A descontinuidade se instalou como uma característica essencial dos trabalhos sanitários nos surtos epidêmicos.

Entretanto, esta não foi a única maneira de responder às epidemias. Existiu um padrão alternativo de resistência, minoritário, que teve uma perspectiva mais holística, e foi apoiado por trabalhadores de saúde que priorizaram a participação comunitária, reconhecendo que a diversidade cultural exigia adaptação das mensagens sanitárias. Também acreditavam que as demandas para melhorar a saúde pública eram uma tribuna para lutar por reformas sociais.  Os que seguiram esse padrão alternativo careciam geralmente de um marco teórico coerente, não eram parte do núcleo de faculdades universitárias e tiveram dificuldade em se sobrepor às assimetrias detidas pelo poder.

É importante assinalar que é frequente encontrar casos de compromissos e incoerências tanto no padrão da Cultura de Sobrevivência como na alternativa, o que revela a instabilidade institucional nos países latino-americanos e a insegurança da maioria dos empregos sanitários, obrigando os trabalhadores da saúde a sobreviver às adversidades.

Hoje, as respostas fragmentadas, em vários países, e a obsessão por “balas mágicas”, de alguns governantes desinformados e oportunistas, interessados em encontrar um paliativo e, sobretudo, sobreviver politicamente, é parte do legado vivo da Cultura da Sobrevivência.

Marcos Cueto é pesquisador da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) e editor científico da revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos

Para saber mais:

ALCHON, Suzanne A. A Pest in the Land New World Epidemics in a Global Perspective. Albuquerque: Univ. of New Mexico Press, 2003.

ALEXANDER, Ryan M. The Fever of War: Epidemic Typhus and Public Health in Revolutionary Mexico City, 1915–1917. Hispanic American Historical Review, v. 100, n. 1, p. 63-92, 2020.

ALMEIDA, Maria Antónia Pires de. A epidemia de cólera de 1853-1856 na imprensa portuguesa. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 18, n. 4, p. 1057-1071, 2018.

ALMEIDA, Marta de. Combates sanitários e embates científicos: Emílio Ribas e a febre amarela em São Paulo. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 6, n. 3, p. 577-607, 2000.

AGOSTONI, Claudia. Médicos, campañas y vacunas: la viruela y la cultura de su prevención en México 1870-1952. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 2016.

AGUERREGARAY, Rosana. Representaciones, discursos y prácticas profilácticas durante la epidemia de cólera (1886-1887, Mendoza, Argentina). História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 26, n. 1, p. 187-207, 2019.

BENCHIMOL, Jaime. Febre amarela: a doença e a vacina, uma história inacabada. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2001.

BENCHIMOL, Jaime. Dos micróbios aos mosquitos: febre amarela e a revolução pasteuriana no Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1999.

BERTOLLI FILHO, Cláudio. A gripe espanhola em São Paulo, 1918: epidemia e sociedade. São Paulo: Santa Ifigênia, 2003.

BERTUCCI-MARTINS, Liane Maria. Influenza, a medicina enferma: ciência e práticas de cura na época da gripe espanhola em São Paulo. Campinas: Editora Unicamp, 2004.

CARBAJAL LOPEZ, David. La epidemia del cólera de 1833-1834 en el obispado de Guadalajara. Rutas de contagio y mortalidad. Historia Mexicana, v. 60, n. 4, p. 2025-2067, 2011.

CARBONETTI, Adrián. Políticas estatales y medicina frente la epidemia de cólera de 1867-68 en Córdoba y Rosario. In: Carbonetti, Adrián. Historias de enfermedad en Córdoba desde la colonia hasta el siglo XX. Córdoba: CONICET, p.21-34, 2007.

CARRILO, Ana María. ¿Estado de peste o estado de sitio? Sinaloa y Baja California, 1902-1903. Historia mexicana, v. 54, n. 4, p. 1049-1103, 2005.

CHALOUB, Sidney. Cidade febril: cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

COOK, Noble David. Born to die: disease and New World conquest, 1492-1650. Nueva York: Cambridge Univ. Press, 1998.

COOK, Noble David. Demographic collapse: Indian Peru, 1520–1620. Cambridge: Cambridge Univ. Press, 1981.

COOPER, Caren. Citizen science: how ordinary people are changing the face of discovery. New York: The Overlook Press, 2016.

COOPER, Donald B. Epidemic disease in Mexico City, 1716-1813: an administrative, social, and medical study. Austin: Univ. of Texas Press, 1965.

CROSBY, Alfred W. The Columbian Exchange: biological and cultural consequences of 1492. Westport: Greenwood, 1972.

CUENYA MATEOS, Miguel Angel, y Rosalina Estrada Urroz. Enfermedad, epidemias, higiene y control social: nuevas miradas desde América Latina y México. Puebla: Universidad Autónoma de Puebla, 2013.

CUETO, Marcos. El regreso de las epidemias: salud y sociedad en el Perú del siglo XX. Lima: Instituto de Estudios Peruanos, 1997.

CUETO, Marcos. Cold war, deadly fevers: malaria eradication in Mexico, 1955-1975. Baltimore: Johns Hopkins Univ. Press, 2007.

CUETO, Marcos; PALMER, Steve. Medicina e Saúde Pública na América Latina: uma história. Rio de Janeiro. Ed. Fiocruz, 2016.

DALL’AVA, João Paulo; MOTA, André. A gripe espanhola em Sorocaba e o caso da fábrica Santa Rosália, 1918: contribuições da história local ao estudo das epidemias no Brasil. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 24, n. 2, p. 429-446, 2017.

DELAPORTE, François. The history of yellow fever: an essay on the birth of tropical medicine. Cambridge: MIT Press, 1991.

ESPINOSA, Mariola. Epidemic invasions: yellow fever and the limits of Cuban independence, 1878-1930. Chicago: Univ. of Chicago Press, 2009.

FERNANDES, Tania Maria. Vacina Antivariólica: ciência, técnica e o poder dos homens, 1808-1920. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2010.

FIQUEPRON, Maximiliano Ricardo. Lugares, actitudes y momentos durante la peste: representaciones sobre la fiebre amarilla y el cólera en la ciudad de Buenos Aires, 1867-1871. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 25, n. 2, p. 335-351, 2018.

FLORESCANO, Enrique; MALVIDO, Elsa (org). Ensayos sobre la historia de las epidemias en México. México, D.F.: Instituto Mexicano del Seguro Social, 1982.

GAITORS, Beau D.J. Commerce, conflict, and contamination: yellow fever in early-independence Veracruz in the US imaginary, 1821-1848. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, nguinhos, v. 25, n. 3, p.779-795, 2018.

GARCÍA, Mónica. La historiografía de la fiebre amarilla en América Latina desde 1980: los límites del presentismo. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 26, n.2, p. 623-641, 2019.

GOULART, Adriana da Costa. Revisitando a espanhola: a gripe pandêmica de 1918 no Rio de Janeiro. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 12, n.1, p.101-142, 2005.

HOCHMAN, Gilberto. A era do saneamento. As bases da política de saúde pública no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2012.

HOCHMAN, GILBERTO. Priority, invisibility and eradication: the history of smallpox and the Brazilian public health agenda. Medical History, v. 53, p. 229-252, 2009.

KODAMA, Kaori. Antiescravismo e epidemia: "O tráfico dos negros considerado como a causa da febre amarela", de Mathieu François Maxime Audouard, e o Rio de Janeiro em 1850. História, Ciências, Saúde– Manguinhos v.16, n.2, p.515-520, 2009.

KODAMA, Kaori; PIMENTA, Tânia Salgado; BASTOS, Francisco Inácio; BELLIDO, Jaime Gregorio. Mortalidade escrava durante a epidemia de cólera no Rio de Janeiro (1855-1856): uma análise preliminar. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 19, sup. l, p. 59-79, 2012.

LOPES, Gabriel. Anopheles gambiae no Brasil: antecedentes para um “alastramento silencioso”, 1930 -1932. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 26, n. 3, p. 823-839, 2019.

LOWY, Ilana. Representação e intervenção em saúde pública: vírus, mosquitos e especialistas da Fundação Rockefeller no Brasil. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 5, n. 3, p. 647-677, 1999.

MAGALHÃES, Rodrigo César da Silva. A erradicação do Aedes aegypti: febre amarela, Fred Soper e saúde pública nas Américas (1918-1968). Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2016.

MARQUES. Maria Cristina. A história de uma epidemia moderna: a emergência política da Aids-HIV no Brasil. RiMa, 2003

MÁRQUEZ MORFÍN, Laura. La desigualdad ante la muerte en la Ciudad de México: el tifo y el cólera (1813 y 1833). México, D.F.: Siglo Veintiuno, 1994.

MÁRQUEZ VALDERRAMA, Jorge. ¿Rumores, miedo o epidemia? La peste de 1913 y 1914 en la costa atlántica de Colombia. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, n. 8, n. 1, p. 133-171, 2001.

MARTINS, Valter. Cidade-laboratório: Campinas e a febre amarela na aurora republicana. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 22, n. 2, p.507-524, 2015.

McCREA, Heather. Diseased Relations: Epidemics, Public Health, and State-Building in Yucatán, Mexico, 1847 – 1924. Albuquerque: Univ. of New Mexico Press, 2010.

MOLINA DEL VILLAR, America. La Nueva España y el matlazahuatl, 1736-1739. México, D.F.: Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social, 2001.

MOLINA DEL VILLAR, América; MÁRQUEZ MORFÍN, Lourdes; PARDO HERNÁNDEZ, Claudia Patricia. El miedo a morir. Endemias, epidemias y pandemias en México: análisis de larga duración. México: Benemérita Universidad Autónoma de Puebla, 2013.

NASCIMENTO, Dilene Raimundo do. As pestes do século XX: tuberculose e AIDS no Brasil, uma história comparada. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005.

NASCIMENTO, Dilene Raimundo do; SILVA, Matheus Alves Duarte da. "Não é meu intuito estabelecer polêmica": a chegada da peste ao Brasil, análise de uma controvérsia, 1899 . História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 20, suppl.1, p.1271-1285, 2013.

OLIVEIRA, Eliézer Cardoso de. A epidemia de varíola e o medo da vacina em Goiás. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 20, n. 3, p. 939-962, 2013.

PASCUA, Cecilia M. La epidemia de cólera como condensador de sentidos: culturas urbanas, narraciones clínicas y políticas higiénicas en Rosario, Argentina, 1886-1887. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 24, n 2, p. 295-311, 2017.

PENICHE MORENO, Paola.Terapéutica para tratar el cólera en Yucatán, México (1833-1853). Medicina fisiológica, herbolaria local y régimen moral. Asclepio, v. 68, n. 1, 2016.

PIMENTA, Tânia Salgado. La asistencia sanitaria en tiempos de epidemia en Río de Janeiro en el siglo XIX. Dynamis, v. 3, n. 1, p. 21-39, 2011.

RAMÍREZ, Paul. Enlightened immunity: Mexico's experiments with disease prevention in the Age of Reason. Stanford: Stanford Univ. Press, 2018.

REBELO-PINTO, Fernanda; HOCHMAN, Gilberto. Cólera en el vapor Araguaya, 1910: epidemias en la travesía inmigratoria entre Europa, Brasil y Argentina. Quinto Sol , v. 20, n. 2, 1-22, 2016.

RODRIGUES, Cláudia. A cidade e a morte: a febre amarela e seu impacto sobre os costumes fúnebres no Rio de Janeiro (1849-50). História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 6, n. 1, p. 53-80, 1999.

SANTOS, Luciana dos. Um imenso campo mórbido: controvérsias médico-científicas sobre a epidemia de cólera-morbo de 1855. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 23, n. 2, p. 341-357, 2016.

SERRÓN, Víctor. Epidemia y perplejidades médicas: Uruguay, 1918-1919. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 18, n. 3, p. 701-721, 2011.

SMALLMAN, Shawn. The AIDS Pandemic in Latin America. Chapel Hill: Univ. of North Carolina Press, 2007.

SILVA, Renán. Enfermedad y sociedad en la crisis colonial del Antiguo Régimen: Nueva Granada en el tránsito del siglo XVIII al XIX, las epidemias de viruelas. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, 1992.

SILVA, Renato da; Hochman, Gilberto Um método chamado Pinotti: sal medicamentoso, malária e saúde internacional (1952-1960). História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v.18, n. 2, p. 519-544, 2011.

SOUZA, Christiane Maria Cruz de. Sob o império da doença: a epidemia de gripe espanhola na Bahia (1918-1919) In: Nascimento, Dilene Raimundo do; Franco, Sebastião Pimentel; Maciel, Ethel Leonor Noia. Uma história brasileira das doenças. Belo Horizonte: Fino traço, p. 219-236. 2013.

STEVENS, Donald Fithian. Mexico in the Time of Cholera. Albuquerque: Univ. of New Mexico Press, 2019.

TELAROLLI JUNIOR, Rodolpho. Imigração e epidemias no estado de São Paulo. História, Ciências, Saúde– Manguinhos, v. 3, n. 2, p. 265-283, 1996.

THOMPSON, Angela Tucker. Las otras guerras de México: epidemias, enfermedades y salud pública en Guanajuato, México, 1810-1867. México: La Rana, 1998.

VIANNA, Eliza da Silva; NASCIMENTO, Dilene Raimundo do. Nunca me senti tão maldito: o estigma e a epidemia de aids no Brasil In: Nascimento, Dilene Raimundo do; Franco, Sebastião Pimentel; Maciel, Ethel Leonor Noia. Uma história brasileira das doenças. Belo Horizonte, 2013. p.237-253.

YÉPEZ COLMENARES, Germán. “Epidemias de viruela, inoculación e incorporación del fluido vacuno en la provincia de Caracas a comienzos del siglo XIX” Tierra Firme 18 (2000): 563-577.

ZULAWSKI, Ann. Environment, Urbanization, and Public Health: The Bubonic Plague Epidemic of 1912 in San Juan, Puerto Rico. Latin American Research Review, v. 53, n. 3, p. 500–516, 2018.


Compartilhe

Facebook Twitter Whatsapp E-mail Imprimir

Compartilhe

Facebook Twitter Whatsapp E-mail Imprimir