Ir para o conteúdo

Como uma doença mental causada pela sífilis contribuiu para dar status científico à neuropsiquiatria

2021-11-26

Vencedor do Prêmio Oswaldo Cruz de Teses 2021, estudo detalha o processo de diagnóstico da Paralisia Geral Progressiva 

Ilustração: mãos negras seguram grades de uma prisão. Sobre a imagem, marcas de impressões digitais. à direita, a foto de um homem negro. Uma mão branca aponta para ela.

Por Karine Rodrigues

Em 1822, enquanto o Brasil caminhava para a independência de Portugal, do outro lado do oceano Atlântico, o alienista francês Antoine Laurent Jessé Bayle (1799-1858) concluía as suas considerações sobre pacientes com paralisia e delírios, observados em hospícios parisienses. Ele acreditava estar diante de uma nova doença mental, e não de complicações de outras formas já conhecidas de loucura, como diziam seus pares.

Às vezes, olhamos para o passado como se ele fosse feito de rupturas muitos abruptas. Mas não é bem assim. As ideias vão sendo colocadas no campo científico e tendo maior ou menor adesão. Ao longo do tempo outras evidências vão sendo construídas, para que se corroborem ou se refutem determinadas hipóteses

Bayle descreveu a Paralisia Geral Progressiva, primeira doença a evidenciar a relação entre lesões materiais e sintomas clínicos, contribuindo para o reconhecimento do caráter científico da neuropsiquiatria. Cerca de 100 anos depois, descobriu-se que ela se manifestava em pessoas com sífilis em estágio avançado, quando a bactéria causadora da doença sexualmente transmissível, Treponema pallidum, atingia o cérebro.

“O reconhecimento da Paralisia Geral Progressiva como doença que possuía sintomas físicos e psíquicos resultantes de uma lesão encefálica legitimou a ideia de que a alienação mental também poderia ser estudada a partir de referenciais considerados científicos”, escreve Giulia Engel Accorsi, na tese de doutorado defendida no Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz). Com o estudo, ela venceu o Prêmio Oswaldo Cruz de Teses 2021, na categoria Ciências Humanas e Sociais.

Aos olhos de hoje, pode soar estranho, mas, naquela época, o alienismo – como se chamava a medicina mental – era uma especialidade que carecia de prestígio científico. As demais áreas médicas acreditavam que as técnicas de diagnóstico, prognóstico e tratamento do alienismo não eram objetivas o suficiente e careciam de eficácia.

Da ferida à loucura

Transmitida, mais frequentemente, por contato sexual, a sífilis inicialmente se manifesta sem alarde, como uma única ferida que não dói, não coça, não arde e vai embora espontaneamente. Porém, na medida em que infecção avança sem tratamento, o Treponema pallidum, sorrateiramente, ataca várias partes do corpo. É uma doença sistêmica, assim como a Covid-19.


   
   Giulia Engel Accorsi. Foto: Arquivo pessoal.

Como durante longo tempo não existiam tratamentos, dá para se imaginar que muitos dos acometidos chegavam à fase dos sintomas psiquiátricos, quando a bactéria já havia invadido o sistema nervoso. “A pessoa realmente enlouquecia", conta Giulia, que na tese Sífilis, loucura e civilização: a paralisia geral progressiva e a institucionalização do campo neuropsiquiátrico no Rio de Janeiro (1868-1924), empreende uma detalhada investigação sobre o diagnóstico da Paralisia Geral Progressiva e revela como a doença influenciou a consolidação do campo neuropsiquiátrico no Rio de Janeiro.

A investigação cobre um período que inicia em 1868, data da publicação da primeira fonte identificada que aborda aspectos da Paralisia Geral Progressiva, e segue até 1924, quando passa a ser utilizado, no Rio de Janeiro, o primeiro tratamento considerado específico para a doença: a malarioterapia. 

A terapêutica consistia em inocular sangue contendo o Plasmodium vivax, uma das espécies causadora da malária, no paciente com sífilis, provocando acessos febris e posterior mitigação do efeito da doença no organismo. Até hoje não se sabe qual o tipo de interação entre o protozoário da malária e a bactéria da sífilis, diz Giulia, que investigou a malarioterapia na dissertação de mestrado, também defendida na Casa. A partir da ampliação do uso da penicilina, durante a segunda metade do século 20, o tratamento passou a perder espaço.

Diagnóstico levou quase 100 anos

Na análise das fontes – teses médicas, relatórios administrativos, livros e artigos publicados em diferentes periódicos –, Giulia observou que as ideias de Bayle começaram a circular no Rio de Janeiro por volta da década de 60 do século 19. Isso porque os principais debates sobre a doença à época giravam em torno da associação entre manifestações físicas e mentais – como delírios, paralisia e problemas na fala e na escrita – e lesões encontradas no encéfalo dos doentes.

Os anseios de legitimação e prestígio da medicina mental começaram a moldar o processo de construção do diagnóstico da Paralisia Geral Progressiva

“Os anseios de legitimação e prestígio da medicina mental começaram a moldar o processo de construção do diagnóstico da Paralisia Geral Progressiva a partir daí”, avalia a bióloga e historiadora, frisando que o processo de construção do diagnóstico da doença durou cerca de um século. Embora tenha sido descrita em 1822, a relação causal com a sífilis só foi consolidada em 1913.

Giulia empreendeu uma análise exaustiva sobre o longo período, revelando, de forma inédita no Brasil, a complexidade do processo de diagnóstico da Paralisia Geral Progressiva. “O que busco fazer é uma epistemologia desse conhecimento, mostrar como ele foi construído. Às vezes, olhamos para o passado como se ele fosse feito de rupturas muitos abruptas. Mas não é bem assim. As ideias vão sendo colocadas no campo científico e tendo maior ou menor adesão. Ao longo do tempo outras evidências vão sendo construídas, para que se corroborem ou se refutem determinadas hipóteses”.

Em relação à Paralisia Geral Progressiva, houve muitas discussões e controvérsias. Mas Giulia constatou também uma grande colaboração entre instituições e especialidades diferentes na área da Saúde, como os campos da sifilografia e da psiquiatria. O médico Artur Moses (1886-1967), do Instituto Oswaldo Cruz, usava amostras de pacientes paralíticos internados no Hospício Nacional de Alienados para realizar análises sorológicas de sífilis e chegou a publicar artigos com o psiquiatra Ulysses Vianna (1880-1935). Essas interlocuções foram um dos achados da tese.

A psiquiatria no laboratório

Inicialmente, considerou-se que a Paralisia Geral Progressiva seria causada por problemas trazidos pelo processo civilizatório, como o trabalho em fábricas, locais fechados, muito quentes e trabalho intelectual intenso. Até que em meados do século 19, na região da Escandinávia, alguns médicos começaram a perceber que muitos doentes acometidos pela doença também tinham sífilis. Passaram, então, a usar a estatística em busca de comprovação para essa ligação. Em 1857, foi publicado o primeiro trabalho que levantava tal hipótese. Vários outros se seguiram a partir daí. Em 1906, foi desenvolvida a primeira reação laboratorial diagnóstica para sífilis e, em 1913, Hideyo Noguchi e Joseph W. Moore analisaram amostras de 70 cérebros de cadáveres de paralíticos gerais e identificaram a bactéria sifilítica.

Embora vários fatores tenham contribuído para dar cientificidade à neuropsiquiatria -  criação da cadeira de Clínica Psiquiátrica na Faculdade de Medicina, da Assistência Médico-Legal de Alienados e do pavilhão de observação dos pacientes; incorporação de instrumentos usados em outras áreas médicas - a sífilis nervosa, de um modo geral, mas sobretudo a Paralisia Geral Progressiva, foi a primeira doença psiquiátrica descrita de acordo com os padrões científicos postulados pela medicina geral da época. Ela possuía diagnóstico clínico e laboratorial, seus sintomas decorriam de uma lesão material, era causada por um microorganismo e ostentava um tratamento específico. "Ela abriu as portas do laboratório para a psiquiatria", frisa Giulia.

“A loucura por si só era exibida pelo campo neuropsiquiátrico brasileiro como um dos principais fatores de degeneração da nação – daí a importância da especialidade na empreitada da construção de um país moderno, desenvolvido e saudável, acorde aos referencias burgueses definidores de progresso e civilização à época”, escreve na tese.

Fachada de um edifício de dois pavimentos
Estudo de Sífilis de Tuskegge. Foto: National Archives and Records Administration.


Vieses de raça e gênero

Na história da sífilis, há um capítulo criminoso, protagonizado pelo governo norte-americano. Trata-se do Estudo de Sífilis de Tuskegge, cidade do Estado norte-americano do Alabama, que se prolongou de 1932 a 1972. Durante a pesquisa, foi negado tratamento a 399 homens que padeciam de sífilis, todos negros. Usados como cobaias para observar a progressão natural da enfermidade, eles não foram informados que tinham a doença nem deram consentimento para participar do estudo.

[À época], alguns até questionavam: ‘Como pode [a incidência] estar aumentando tanto se eles têm um cérebro tão inferior?’ É que, em geral, a loucura era considerada rara nas raças não brancas, pois os médicos acreditavam que esses indivíduos não tinham o cérebro suficientemente desenvolvidos para tal

Em relação ao tema raça e gênero, Giulia encontrou pouca informação sobre descentes de escravizados que foram alvo da malarioterapia no Rio. Além disso, encontrou nas fontes estudadas referências médicas sobre um aumento do número de indivíduos negros com Paralisia Geral Progressiva. “[À época], alguns até questionavam: ‘Como pode [a incidência] estar aumentando tanto se eles têm um cérebro tão inferior?’ É que, em geral, a loucura era considerada rara nas raças não brancas, pois os médicos acreditavam que esses indivíduos não tinham o cérebro suficientemente desenvolvidos para tal”.

Giulia encontrou médicos que, na virada do século 19 para o 20, associavam o aumento da incidência de Paralisia Geral Progressiva em negros recém-libertos à perda repentina da proteção dos seus senhores. “Munidos de um sistema nervoso inferior, homens e mulheres negros(as) não estavam, de acordo com certos neuropsiquiatras, preparados para adentrar a vida em civilização como sujeitos autônomos. A luta pela sobrevivência, que para esses médicos, era inexistente nos tempos de cativeiro, e, sobretudo, os excessos venéreos e alcoólicos, contribuíam para que libertos(as) fossem vitimados pela paralisia geral progressiva”, escreve.

Mas havia quem pensasse de forma diferente, como o psiquiatra baiano Juliano Moreira (1872-1933), que atuou no Rio de Janeiro. Para ele, a doença não estava relacionada à cor, mas ao nível de educação higiênica e à capacidade de viver seguindo esses preceitos. O conhecimento adquirido faria com que o indivíduo ficasse longe dos elementos que poderiam causar a loucura. As orientações eram variadas: não trabalhar muito; não abusar do álcool; não fazer sexo fora do casamento ou com frequência.

Os casos notificados de sífilis adquirida no país têm crescido consideravelmente. Em 2010, totalizavam 3.926, número que saltou para 115.371, no ano passado, segundo Boletim Epidemiológico da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde. Também em 2020, foram registrados 61 mil de sífilis em gestantes e 22 mil de sífilis congênita, de acordo com o mesmo levantamento.

Embora evitável e tratável, sífilis segue uma preocupação mundial

“É estranho porque a forma de se prevenir é fácil: é só usar preservativo. Além disso, é uma doença que já possui tratamento e cura. É um crescimento preocupante porque, além da sífilis adquirida, também existe a sífilis em gestantes e a sífilis congênita, quando a mãe passa a doença para o feto. Isso pode dar problemas sérios no desenvolvimento da criança”. O teste rápido para a doença é encontrado o Sistema Único de Saúde (SUS).

Um trabalho na área de história é importante também para chamar atenção para as características da sífilis e mostrar como essa vergonha da doença, essa culpabilização do doente foi construída ao longo do tempo. É uma forma de quebrar tabus e engajar as populações, principalmente os jovens, nas medidas preventivas

Perguntada sobre como a tese pode ajudar no enfrentamento da sífilis atualmente, ela avalia que o trabalho pode contribuir para reduzir o estigma que acompanha a doença desde o século 15, quando surgiram os primeiros registros do que se considerava um castigo dos céus.

“As ciências são campos de força. Então, o papel da produção em História das Ciências é colocar na mesa que forças são essas. Toda a estrutura de produção da ciência é legitimada. Não é algo que você tirou da cartola. São métodos, teorias, técnicas que estão sendo usadas, aperfeiçoadas, complexificadas ao longo de muitos anos. Um trabalho na área de história é importante também para chamar atenção para as características da sífilis e mostrar como essa vergonha da doença, essa culpabilização do doente foi construída ao longo do tempo. É uma forma de quebrar tabus e engajar as populações, principalmente os jovens, nas medidas preventivas”, avalia Giulia.


Compartilhe

Facebook Twitter Whatsapp E-mail Imprimir

Compartilhe

Facebook Twitter Whatsapp E-mail Imprimir