Ir para o conteúdo

HCS-Manguinhos destaca exposição antropológica de índios botocudos

2019-09-25

As exposições antropológicas com os índios botocudos no século 19 e a análise dos cadernos de laboratório do Instituto Oswaldo Cruz são alguns dos destaques da nova edição da revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos. O número 3 do volume 26 (julho a setembro) do periódico científico da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) traz treze artigos sobre temas variados em Análise, além de colaborações inéditas nas seções Depoimento, Nota de Pesquisa, Fontes e Livros & Redes.

Assinado pelo professor-associado da Aarhus University (Dinamarca) Georg Fischer, o artigo sobre os índios botocudos propõe uma perspectiva complexa sobre as exposições antropológicas do século 19, a partir da exibição de ameríndios botocudos no Rio de Janeiro e depois no Reino Unido em 1882. Com efeitos duradouros na cena do entretenimento popular, a presença dos índios na então capital do Brasil e a sua viagem ao exterior também levantaram preocupações sobre a sua transformação em objeto de voyeurismo exótico.

Outros artigos discutem temas variados, como saberes médicos e reflexões morais em Buenos Aires, entre 1835 e 1847; a imagem de cientista em curtas de animação; a participação de cientistas latino-americanos em programas europeus; a formação inicial do médico Antônio Luis Cavalcanti de Albuquerque de Barros Barreto; os antecedentes da propagação do Anopheles gambiae no Brasil; a pediatria e a cultura de viagem científica na Espanha, entre 1907-1939; a relação entre doenças psiquiátricas e criação literária na obra de Machado de Assis; a metáfora energética do ser humano e os diagnósticos de neurastenia, neurose e depressão; as produções de caráter biográfico de ex-portadores do mal de Hansen; o fenômeno da sociologia da autoajuda na sociedade contemporânea; as doenças midiaticamente negligenciadas; e aplicativos de gestão de saúde para telefones celulares.

Nota de Pesquisa

Os cadernos de laboratório do Instituto Oswaldo Cruz, enquanto documentos de arquivo produzidos pela atividade científica, são o tema do artigo assinado pelos pesquisadores da Casa de Oswaldo Cruz Paulo Roberto Elian dos Santos, Francisco dos Santos Lourenço e Renata Silva Borges. Além da pesquisa bibliográfica, a metodologia de trabalho compreendeu a aplicação de questionário, entrevistas e diagnóstico dos arquivos, com o objetivo de buscar a identificação da gênese documental, as espécies/tipologias presentes e as práticas de manutenção e uso dos registros provenientes de 15 laboratórios. Os autores discutem também o caderno aberto de laboratório, formato disseminado no âmbito do debate contemporâneo da ciência aberta.

Carta do Editor

Os desafios das publicações científicas na contemporaneidade, em especial nas áreas de ciências sociais e humanas, são destaque da Carta do Editor, assinada pelo pesquisador e editor-científico da HCS-Manguinhos, André Felipe Cândido da Silva. A partir dos debates realizados no evento de 25 anos do periódico da Casa de Oswaldo Cruz, André Felipe analisa as mudanças em andamento na rotina editorial dessas publicações com a proposta dos preprints e da ciência aberta e ressalta a importância das revistas científicas em história como "instâncias responsáveis pela qualidade do conteúdo publicado, pela obediência de parâmetros éticos, além de alavancas na formação, desenvolvimento e inovação de campos do conhecimento”. Por fim, comunica as mudanças na composição do corpo editorial da revista e anuncia a sua saída da editoria científica para assumir a função de editor adjunto. Marcos Cueto segue como editor científico pelos próximos quatro anos.

Depoimento

Na seção Depoimento, os pesquisadores da Casa de Oswaldo Cruz Carlos Henrique Assunção Paiva, Fernando Pires-Alves e Luiz Antonio Teixeira debatem as perspectivas sobre as ciências sociais em saúde a partir da trajetória intelectual do sociólogo Luiz Antonio de Castro Santos. Em entrevista, o professor visitante da Universidade Estadual do Maranhão situa alguns dos principais personagens e marcos de sua história, destacando suas contribuições tanto para as ciências sociais e a história como para as ciências da saúde.

Fontes

Professor da Universidad de Buenos Aires (Argentina), Esteban Augusto Greifi lança novas pistas sobre o desenvolvimento da experiência clínica no entorno do Rio da Prata, a partir da dissertação La manía aguda (1827), do médico Diego Alcorta. Em outro trabalho, os professores Leicy Francisca da Silva (Universidade Estadual de Goiás) e Ricardo Antonio Gonçalves Teixeira (Universidade Federal de Goiás) debatem o direito à memória das crianças submetidas à política de profilaxia da hanseníase, a partir do arquivo documental da Escola Eunice Weaver, parte do complexo formador do Educandário/Preventório Afrânio de Azevedo, inaugurado em 1943, em Goiânia.

Livros & Redes

Seis resenhas compõem a seção Livros & Redes da nova edição da HCS-Manguinhos. André Vasques Vital analisa o livro The restless clock: a history of the centuries-long argument over what makes living things tick, de Jessica Riskin. Em busca do Brasil: Edgar Roquette-Pinto e o retrato antropológico brasileiro (1905-1935), de Vanderlei Sebastião de Souza, é o tema do trabalho de Gerson Pietta. Waleska Aureliano debate As “novas” políticas sociais brasileiras na saúde e na assistência: uma produção local do serviço e das relações de gênero, de Isabel Georges e Yumi Garcia dos Santos. Ricardo Soares e Paulo Henrique Zuzarte Ferreira resenham A ordem do tempo, de Carlo Rovelli. Julia Emilia Rodriguez discute o livro Madhouse: psychiatry and politics in Cuban history, de Jennifer L. Lambe. Por fim, Moisés Stahl escreve sobre Darwinismo, raça e gênero: projetos modernizadores da nação em conferências e cursos públicos (Rio de Janeiro, 1870-1889), de Karoline Carula.


Compartilhe

Facebook Twitter Google Plus E-mail Imprimir

Compartilhe

Facebook Twitter Google Plus E-mail Imprimir